Video da Semana

A evolução do Android: do Cupcake ao Marshmallow, conheça todas as versões

O Android nem sempre teve um design impecável ou recursos simples como a inclusão de aplicativoss, pastas e widgets na tela inicial. No entanto, o sistema operacional móvel do Google vem recebendo melhorias ano após ano, desde que foi lançado em 2009 - assim assim como outras plataformas para celulares, como iOS e Windows Phone. Confira a evolução do sistema e veja o que evoluiu desde a versão 1.5 Cupcake até o mais recente Android M (Marshmallow).


Android 6.0 Marshmallow (Foto: Divulgação)Android 6.0 Marshmallow é a versão mais recente do sistema do Google (Foto: Divulgação)
Cupcake
A versão mais rudimentar do Android que se conhece foi a 1.5 (Cupcake), lançada em 2009. Bem diferente do que se vê em smartphones modernos com o sistema atual, naquela época as grandes novidades foram a possibilidade de colocar atalhos de aplicativos e organizá-los em pastas na tela inicial.
Android Cupcake (Foto: Divulgação)Android Cupcake (Foto: Divulgação)
Foi também quando o Android ganhou suporte aos famosos widgets e ao upload de vídeos para o YouTube e Picasa.
Donut
Android Donut (Foto: Divulgação)Android Donut (Foto: Divulgação)
A maior novidade do Android 1.6 (Donut) foi a introdução do Android Market e do recurso de buscas universais no telefone e na web, hoje conhecido como o app oficial do Google. Foi também a versão que começou a oferecer suporte a telas de várias resoluções, pois os elementos da interface passaram a ser redimensionados automaticamente. Essa atualização ocorreu também em 2009, meses depois do lançamento do Android 1.5.
Eclair
Android Eclair (Foto: Divulgação)Android Eclair (Foto: Divulgação)
Ainda em 2009, o Google lançou a versão 2.0 (Eclair) com a estreia dos planos de fundo animados e do recurso de adição de telas no aparelho, possibilitando incluir mais widgets, apps e pastas com acesso rápido. Foi também a primeira versão com Google Maps e suporte a navegação via GPS. O Android Eclair apareceu junto com o primeiro integrante da família Nexus, o Nexus One, fabricado pela HTC.
Froyo
Android Froyo (Foto: Divulgação)Android Froyo (Foto: Divulgação)
Em maio de 2010, foi a vez do lançamento do Android 2.2 (Froyo), responsável por acelerar consideravelmente o desempenho de smartphones equipados com o sistema. Foi também dessa vez que o Android passou a oferecer suporte ao Adobe Flash 10.1, permitindo acessar páginas da web e jogos feitos com o plugin, além do compartilhamento da conexão à Internet via USB e a ditados usando a voz.
Gingerbread
Android Gingerbread (Foto: Divulgação)Android Gingerbread (Foto: Divulgação)
Apresentado juntamente com o Nexus S, fabricado pela Samsung, no final de 2010, o Android 2.3 (Gingerbread) foi, certamente, uma das versões mais importantes do sistema, tendo sido também a mais popular por muito tempo. Ela trouxe diversas vantagens, como melhorias na interface e suporte nativo a NFC e novos sensores, como acelerômetro e giroscópio, recursos que tornaram possível a criação de jogos mais modernos para a plataforma.
Honeycomb
Android Honeycomb (Foto: Divulgação)Android Honeycomb (Foto: Divulgação)
A versão “esquecida” do Android, a 3.0 (Honeycomb), é a menos popular de todas, pelo simples fato de que pouquíssimos dispositivos foram equipados com ela. Destinada a tablets, ela trouxe mudanças profundas no design, adicionando uma nova barra inferior e uma nova tela de apps recentes, além de mudar a paleta de cores do sistema do verde para o azul. No início de 2011, essa versão chegou primeiro no tablet Motorola Xoom.
Ice Cream Sandwich
Android Ice Cream Sandwich (Foto: Divulgação)Android Ice Cream Sandwich (Foto: Divulgação)
Seguindo o padrão de design do Android 3.0, no fim de 2011 o Google lançou a versão 4.0 (Ice Cream Sandwich) junto com o smartphone Galaxy Nexus, fabricado novamente pela Samsung. Foi a primeira vez que a tela de apps recentes ganhou uma animação própria nos celulares, entre outras características herdadas do Honeycomb.
Jelly Bean
Android Jelly Bean (Foto: Divulgação)Android Jelly Bean (Foto: Divulgação)
Novo design e melhor desempenho marcaram o Android 4.1 (Jelly Bean). Lançado em 2012 com o Nexus 4, da LG, esse sistema trouxe o Project Butter para enfrentar de vez o lag – aquele engasgo ao executar tarefas – apresentado por apps em versões anteriores. A aparência mudou de novo trazendo uma série de novidades, como widgets na tela de bloqueio, notificações com botões de ação, atalhos na área de notificações e muito mais. Essa versão se estendeu da 4.1 até a 4.3 com várias mudanças, como a introdução do Google Now.
Kitkat
Android Kitkat (Foto: Divulgação)Android Kitkat (Foto: Divulgação)
Lançado oficialmente junto com o Nexus 5 no final de 2013, o Android 4.4 (Kitkat) ofereceu aos usuários, principalmente, melhorias de desempenho e segurança. Foi esta versão que viu o lançamento do Google Now Launcher, que colocou o assistente virtual acessível pela lateral, e passou a integrar as mensagens de SMS ao Hangouts, entre outras mudanças sutis no design.
Lollipop
Android Lollipop (Foto: Divulgação)Android Lollipop (Foto: Divulgação)
Mais mudanças visuais chegaram com o Android 5.0 (Lollipop) no fim de 2014, devido a uma linguagem batizada de Material Design. Uma nova área de notificações e atalhos, nova tela de apps recentes e animações mais fluidas para deixar a experiência de uso agradável e consistente. Inaugurada com os Nexus 6 e 9, essa versão não chegou a tantos aparelhos quanto se esperava, mas foi a primeira a oferecer suporte a dispositivos com arquitetura de 64 bits e a diferentes tamanhos de tela, do relógio à TV.
Marshmallow
Android Marshmallow (Foto: Divulgação)Android Marshmallow (Foto: Divulgação)
No segundo semestre de 2015, o Android M (Marshmallow) foi apresentado oficialmente, pela primeira vez, em dois novos smartphones da linha Nexus, os Nexus 5X e Nexus 6P, fabricados por LG e Huawei, respectivamente. Dessa vez com menos mudanças na aparência, a nova versão 6.0 focou em oferecer mais segurança, com permissões de privacidade para apps, e maior desempenho de bateria, com o recurso conhecido como Doze.